............

............

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Diaconia presente no 10º Encontro Nacional de Escolas de Fé e Política

Desta sexta até domingo (22 a 24), a Universidade Federal de Campina Grande (PB) será sede da 10ª edição do Encontro Nacional de Fé e Política, evento que reúne representantes de Escolas de Fé e Política de todo país. Este ano, o tema escolhido é “Bem Viver: águas da solidariedade e sementes da esperança”. A Diaconia está presente, sendo representada através de parte da equipe político-pedagógica das quatro áreas de atuação, acompanhada de grupos parceiros, lideranças e membros de Igrejas e das Câmaras Temáticas locais.









Com a participação de cientistas políticos, religiosos, sociólogos, jornalistas e outros profissionais de renome nacional, o Encontro terá momentos de plenárias e de grupos temáticos, nos quais os participantes poderão escolher entre 22 opções. Pela manhã acontecem as palestras e painéis, com temas como “Entendendo as Crises”, “Águas da Solidariedade, Convivência com o Semiárido”, “Espiritualidade do Cuidado com a Vida” e “Sementes de Esperança”.

O tema do 10º Encontro (“Bem Viver”) faz referência às culturas andinas e indígenas, como explica o sociólogo Pedro Ribeiro: “Os povos das culturas andinas buscaram em sua sabedoria ancestral uma proposta de vida que os ajudasse a construir uma nova ordem social, econômica e política capaz de superar o colonialismo e a dominação capitalista. O Bem Viver ensina que a felicidade humana encontra-se na vida em harmonia consigo mesmo; com outras pessoas do mesmo grupo; com grupos diferentes; com Pachamama (a Mãe Terra) seus filhos e filhas de outras espécies, e com o mundo espiritual. O Bem-viver é, portanto, uma bandeira de luta cultural, social, política e econômica”, explica o professor, assessor político da Convenção Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e um dos fundadores do movimento Nacional de Fé e Política.

“No Oeste Potiguar, desempenhamos um papel bastante ativo na Escola dos Sertões. Além de participar das formações em Umarizal e Apodi, contribuímos para a formação dos módulos e dos conteúdos”, afirma o coordenador local, Leonardo Freitas. Em cada região, as Escolas de Fé e Política possuem extensões locais e atuam em processos de formação com grupos como Fórum Transformação (Fortaleza), coletivo Vozes Marias e Igreja Batista do Coqueiral (Recife), Igreja Evangélica Livre e Igreja Batista, em Afogados da Ingazeira.

O Movimento - O Movimento Nacional Fé e Política nasceu em plena ditadura militar, na década de 1980, nas Comunidades Eclesiais de Base (CEBs). “A ditadura militar havia suprimido os antigos partidos políticos legais e reprimido brutalmente os partidos clandestinos. Naquela conjuntura, os movimentos sociais sentiam a necessidade de um instrumento para encaminhar suas demandas diante do Estado, mas não aceitavam o modelo de partidos políticos criados pela ditadura. Ao serem criados novos Partidos, havia quem pensasse em criar o Partido cristão, o que é um erro: os cristãos devem escolher o Partido que melhor represente suas propostas políticas; e não que represente sua Fé. Foi então que criamos o Fé e Política, para promover encontros de estudo, dias de espiritualidade e oração e dar o apoio pessoal a quem tinha vocação para a política”, explica Pedro Ribeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário